650…

“Quando o último… SOU EU!”

Para os que me seguem há mais TEMPO, o que escrevo a seguir não é novidade…

A minha relação com as letras, que juntas formam palavras, nunca foi de grande afinidade… Provavelmente nem nunca será, por mais que tente!

Assim, ao invés de tentar explicar por escrito algo que desejo vos transmitir, temo que esta minha fraqueza com as letras não me permita descrever o que penso, e sinto, e como consequência a minha mensagem não seja percepcionada,  por vós, da melhor forma.

Por isso quero vos mostrar em imagens o que acontece quando o último SOU EU… E quando o EU não age de maneira correcta…

Quando EU sou o último… As minhas acções farão invariavelmente a diferença entre o que acabaram de ver…. E o que vão ver,

Acreditar que NUNCA SOMOS OS ÚLTIMOS… Serve apenas para nos libertarmos da RESPONSABILIDADE…  Agirmos sempre como se FOSSEMOS O ÚLTIMO evitaria que as imagens iniciais existissem…

Temos que PENSAR sempre que SOMOS OS ÚLTIMOS… Nem que seja para fechar o PORTÃO…