566…

Cabelos ao vento… é uma óptima sensação…

Mas para fazer os cabelos voarem desta forma é preciso estar uma ventania daquelas! E o que é que provoca uma ventania assim?

Ventoinhas…

“Outra vez!?! Este gajo é mesmo burro como uma porta!!! Isso não é uma ventoinha… ESTÚPIDO”

O quê? Não é ventoi…

Pois não… e ainda outro dia me ensinaram o que era…

Deixando de lado estas confusões e a minha nabice, o que leram naquela mensagem é verdade…

Mas nós animais humanos somos providos de inteligência… e como tal mais cedo ou mais tarde havíamos de encontrar uma solução para que os pássaros e outras espécies voadoras deixassem de nos estragar as ventoinhas…. chiça…. as TURBINAS…. as TURBINAS EÓLICAS…

E inventamos… Criamos a Escola Profissional de Acreditação para Espécies Voadoras Não Humanas…

eheh estou a brincar… não foi isto que criamos… mas com a nossa incrível imaginação bem podia ter sido!!!

Uma empresa Portuga criou e está a desenvolver um radar… (afinal não andamos só a criar dívida!!)

De nome BIRDTRACK®

 Ao material… junta-se o programa… e pronto…

Temos um sistema de radar a emitir na Banda X em 9410Mhz com de pico de potência de emissão de 25kW, e na Banda S em 3050Mhz com de pico de potência de emissão de 30kW. A Banda S faz vigilância horizontal, a Banda X faz vertical. Trocando em miúdos este sistema consegue detectar pássaros isolados, bandos e morcegos.

Qual o objectivo? Impedir que os animais voadores estraguem a turbina (agora acertei à 1ª), ou impedir que as pás da turbina (estou a evoluir!!!) estraguem os pássaros… Falta-me saber qual a verdadeira intenção… Mas por breves instantes quero imaginar que estamos a fazer isto para salvar outros animais…

Assim, quando o radar detecta animais voadores e os mesmos estão a voar em direcção às turbinas elas

PARAM

E assim evita-se que seres vivos morram desnecessariamente apenas porque nós queremos produzir energia eléctrica…

Por fim fica-me apenas uma dúvida a assombrar o espírito: Qual será a calibração que a empresa proprietária do parque eólico irá utilizar? Isto é… o sistema bloqueia as turbinas quando aparece apenas um pássaro a voar na direcção do parque? Ou só se vierem 3? Ou 5? Ou um grande bando? Procurei resposta mas ainda não encontrei…

E para terminar…

Com este liga e desliga das ventoinhas… esta moça airosa irá ter dificuldades em tirar fotografias destas… com os Cabelos ao Vento…

561…

Biscoito, Caramelo, Chocolate

Ventoinhas…

Ó… tou parvo!!! Isto não é uma ventoinha…

É uma turbina eólica… sou mesmo NABO… Bem mas pouco importa o quão nabo sou, vamos lá ao que interessa…

Estas máquinas “não-voadoras” são a nova delicia dos animais humanos*, tudo porque são a solução de quase todos os nossos problemas, e se a estas belezas juntarmos os painéis solares de baixo rendimento, então quase que podemos considerar o Planeta, o Paraíso na Terra!

Nestas máquinas encontramos a solução para o nosso grande inimigo – o CO2 – devo referir já aqui e agora que apenas nos preocupa o CO2 resultante da produção de energia, a emissão de CO2 que resulta de todo o processo de produção e desmantelamento de uma destas máquinas é irrelevante.

E realmente, comparando este método de produção de energia eléctrica, com outros mais antigos, até que nem é muito mau… pelo menos para nós animais humanos…

Para não variar nada do que fazemos actualmente tem nenhum ou reduzido impacto, quer no ambiente quer noutros seres vivos. E neste caso das turbinas eólicas o caso, como é lógico, não podia ser diferente.

Não o é certamente, mas contudo, PARECE! isto porque a “Caixa Mata Cérebros” nunca transmite o lado PRETO da turbina… só nos injecta com o lado VERDE

Ah!!! Mas… mas… há lado PRETO nas eólicas?

Então… claro!

Um exemplo rápido… 30 segundos!

Claramente temos que criar um novo brevete para aves… e temos que obrigá-las a ir às aulas… Então as estúpidas não sabem que é perigoso andar a esvoaçar ao pé das pás da turbina?!?!? Idiotas…

Mas, não é apenas esta espécie de aves que leva… não… a seguinte é ainda mais… mais… bem, nem sei que adjectivo utilizar! Mais um rápido…

A esta espécie, morcegos, nem sequer precisamos de lhes acertar com as pás… ihih… basta a perturbação da atmosfera e a alteração de pressão que… zás… rebentam-lhes  os pulmões…

Tirando estas espécies, que não sei porque raio têm a mania de andar a voar e ainda por cima não seguem as estradas aéreas por nós criadas, outras sofrem o impacto directo e indirecto destas belas máquinas da nossa engenharia moderna.

Se por ventura o Índice de Eolicidade numa dada região for por demais excelente para se construir lá uma quinta eólica, mas a zona for de floresta… não há problema… bota-a-baixo a floresta e os seres vivos que por lá parasitam que se mudem. Se for zona agrícola, menos mau, pois basta pagar uns poucos cobres ao “dono” das terras e problema resolvido. Se for zona montanhosa… loucura! É o ideal… lá em cima ninguém vê puto nem liga a nada.

Para terminar o lado PRETO das turbinas eólicas… o fim de vida útil das mesmas…

E acham vocês, caros seguidores e eventuais leitores por acidente, que nós animais humanos nos vamos dar ao trabalho de ir lá desmantelar as quintas?

CRUZ CREDO… NÃO… isso sai muito caro e além do mais íamos emitir muito CO2… “deixás prá í” ficar… A natureza trata delas…

Turbinas Mortas em Tehachapi (Descansem em Paz!)

Esta nem precisa legenda!

Se isto em terra firme já é assim… podem ficar seguros que não vamos retirar estas

daqui quando o seu TEMPO de morrer chegar… Pode ser que por essa altura os peixinhos já consigam reciclar alumínio e outros elementos raros!

E pronto…

Fica assim a saber que isto do Eólico ser um Mar de Verde… não é bem a estória que nos contam… Mas é sempre melhor que nada!

* Nota: já não foram poucas as pessoas que me interrogaram porque escrevo “animais humanos”, fica aqui a explicação para memória passada e futura!
“animais humanos” grupo de seres vivos pertencentes a uma espécie antiga denominada por “homo sapiens” mas que por motivos de economia, e de corte de rating, passou a ser designada simplesmente por “animais humanos”.