133…

A segunda década do século vinte e um, será a década do início da alteração do modo como temos vivido até hoje.

A manterem-se as previsões de crescimento do número de indivíduos da população humana, esta será sem dúvida a última década de “abundância” para os cerca de vinte por cento da população, que devora os recursos naturais produzidos em todo o Planeta. Algo simplesmente insustentável.

O que considero curioso é que o animal humano com a sua inteligência, foi incapaz de fazer dela, uma verdadeira ferramenta para que se pudesse ter vivido em verdadeira sustentabilidade, e para que não estivéssemos hoje deparados com um Planeta no qual brevemente não teremos condições para viver. Claro que não falo, espero eu, para o tempo que me resta de vida, mas sem dúvida que ainda vou assistir (e já assisti) a grandes alterações!

Do passado conseguimos obter informações de civilizações que nasceram, cresceram, exploraram, cresceram ainda mais, e por fim desapareceram… e a causa do desaparecimento foi a de terem esgotado todos os recursos naturais que tinham à disposição.

Do presente temos a nossa grandiosa inteligência, aquilo que nos permitiu evoluir para algo que agora alguns têm a noção foi um erro evolucionário, e que não quer ver a realidade: sete biliões de seres humanos, a devorar o Planeta, são prejudiciais para o Planeta. Evidente que os erros evolucionários pagam-se!!!
Somos um animal que se esqueceu, esquece e se esquecerá, que é um ANIMAL, e como animal que É necessita do meio ambiente para viver.

Do futuro… O futuro será igual ao passado, e ao presente, pois não evoluímos para agir, mas sim para reagir.
Iremos reagir à subida dos níveis dos mares, construindo barreiras, à subida da temperatura fechando-nos em zonas climatizadas, à falta de água potável e comida, entrando em guerras… como se isto fizesse alguma diferença.

Tudo será reacção… às acções que nós próprios criamos, sem darmos conta disso… ofuscados por um coisa tão insignificante… O DINHEIRO!