627…

“VENTO QUENTE…”

As novas Florestas da Humanidade… Sim são belas!

E ao contrário destas

que não servem para absolutamente nada, a não ser para abater para criar pasto para gado, ou plantação para produção de óleos para os nossos queridos automóveis, e uma outra outra coisa ligada à cosmética e à indústria alimentar… As Florestas da Humanidade são muito melhores…

Produzem uma coisa sem a qual não conseguimos viver… ENERGIA ELÉCTRICA!

A nossa perseguição diabólica ao CO2 está a seguir um rumo catastrófico… Mas pouco importa… O importante é que temos de construir muitas Florestas da Humanidade para conseguimos baixar os nossos níveis de emissões de CO2, nem que para tal tenhamos que destruir os Seres Vivos que absorvem  CO2 e o convertem noutro gás, que até nem nos faz muita falta… o O2 (oxigénio!).

Mas… tinha que haver um “Mas”…

Um estudo publicado recentemente (podem ler aqui o resumo) concluiu que:

“Our results show a significant warming trend of up to 0.72 °C per decade, particularly at night-time, over wind farms relative to nearby non-wind-farm regions.”

“Os nossos resultados mostram uma significativa tendência de aquecimento até 0.72ºC por década, especialmente durante a noite, nas zonas das quintas de vento relativamente a zonas vizinhas não quintas de vento”

Parece que as nossas Florestas da Humanidade afinal servem para aquecer… Acho que o objectivo era reduzir as emissões de CO2 para fazer baixar as temperaturas (senão qualquer dia cozemos ao ar livre!), mas pelos vistos somos mesmo incapazes de fazer algo de acertado…

E tudo porque continuamos a preferir VIVER de costas voltadas para a NATUREZA…

Termino com uma evidência… As nossas Florestas da Humanidade também não escapam aos “fogos florestais” e ao abate!

 

E não são ELAS que nos vão “salvar”…

566…

Cabelos ao vento… é uma óptima sensação…

Mas para fazer os cabelos voarem desta forma é preciso estar uma ventania daquelas! E o que é que provoca uma ventania assim?

Ventoinhas…

“Outra vez!?! Este gajo é mesmo burro como uma porta!!! Isso não é uma ventoinha… ESTÚPIDO”

O quê? Não é ventoi…

Pois não… e ainda outro dia me ensinaram o que era…

Deixando de lado estas confusões e a minha nabice, o que leram naquela mensagem é verdade…

Mas nós animais humanos somos providos de inteligência… e como tal mais cedo ou mais tarde havíamos de encontrar uma solução para que os pássaros e outras espécies voadoras deixassem de nos estragar as ventoinhas…. chiça…. as TURBINAS…. as TURBINAS EÓLICAS…

E inventamos… Criamos a Escola Profissional de Acreditação para Espécies Voadoras Não Humanas…

eheh estou a brincar… não foi isto que criamos… mas com a nossa incrível imaginação bem podia ter sido!!!

Uma empresa Portuga criou e está a desenvolver um radar… (afinal não andamos só a criar dívida!!)

De nome BIRDTRACK®

 Ao material… junta-se o programa… e pronto…

Temos um sistema de radar a emitir na Banda X em 9410Mhz com de pico de potência de emissão de 25kW, e na Banda S em 3050Mhz com de pico de potência de emissão de 30kW. A Banda S faz vigilância horizontal, a Banda X faz vertical. Trocando em miúdos este sistema consegue detectar pássaros isolados, bandos e morcegos.

Qual o objectivo? Impedir que os animais voadores estraguem a turbina (agora acertei à 1ª), ou impedir que as pás da turbina (estou a evoluir!!!) estraguem os pássaros… Falta-me saber qual a verdadeira intenção… Mas por breves instantes quero imaginar que estamos a fazer isto para salvar outros animais…

Assim, quando o radar detecta animais voadores e os mesmos estão a voar em direcção às turbinas elas

PARAM

E assim evita-se que seres vivos morram desnecessariamente apenas porque nós queremos produzir energia eléctrica…

Por fim fica-me apenas uma dúvida a assombrar o espírito: Qual será a calibração que a empresa proprietária do parque eólico irá utilizar? Isto é… o sistema bloqueia as turbinas quando aparece apenas um pássaro a voar na direcção do parque? Ou só se vierem 3? Ou 5? Ou um grande bando? Procurei resposta mas ainda não encontrei…

E para terminar…

Com este liga e desliga das ventoinhas… esta moça airosa irá ter dificuldades em tirar fotografias destas… com os Cabelos ao Vento…

561…

Biscoito, Caramelo, Chocolate

Ventoinhas…

Ó… tou parvo!!! Isto não é uma ventoinha…

É uma turbina eólica… sou mesmo NABO… Bem mas pouco importa o quão nabo sou, vamos lá ao que interessa…

Estas máquinas “não-voadoras” são a nova delicia dos animais humanos*, tudo porque são a solução de quase todos os nossos problemas, e se a estas belezas juntarmos os painéis solares de baixo rendimento, então quase que podemos considerar o Planeta, o Paraíso na Terra!

Nestas máquinas encontramos a solução para o nosso grande inimigo – o CO2 – devo referir já aqui e agora que apenas nos preocupa o CO2 resultante da produção de energia, a emissão de CO2 que resulta de todo o processo de produção e desmantelamento de uma destas máquinas é irrelevante.

E realmente, comparando este método de produção de energia eléctrica, com outros mais antigos, até que nem é muito mau… pelo menos para nós animais humanos…

Para não variar nada do que fazemos actualmente tem nenhum ou reduzido impacto, quer no ambiente quer noutros seres vivos. E neste caso das turbinas eólicas o caso, como é lógico, não podia ser diferente.

Não o é certamente, mas contudo, PARECE! isto porque a “Caixa Mata Cérebros” nunca transmite o lado PRETO da turbina… só nos injecta com o lado VERDE

Ah!!! Mas… mas… há lado PRETO nas eólicas?

Então… claro!

Um exemplo rápido… 30 segundos!

Claramente temos que criar um novo brevete para aves… e temos que obrigá-las a ir às aulas… Então as estúpidas não sabem que é perigoso andar a esvoaçar ao pé das pás da turbina?!?!? Idiotas…

Mas, não é apenas esta espécie de aves que leva… não… a seguinte é ainda mais… mais… bem, nem sei que adjectivo utilizar! Mais um rápido…

A esta espécie, morcegos, nem sequer precisamos de lhes acertar com as pás… ihih… basta a perturbação da atmosfera e a alteração de pressão que… zás… rebentam-lhes  os pulmões…

Tirando estas espécies, que não sei porque raio têm a mania de andar a voar e ainda por cima não seguem as estradas aéreas por nós criadas, outras sofrem o impacto directo e indirecto destas belas máquinas da nossa engenharia moderna.

Se por ventura o Índice de Eolicidade numa dada região for por demais excelente para se construir lá uma quinta eólica, mas a zona for de floresta… não há problema… bota-a-baixo a floresta e os seres vivos que por lá parasitam que se mudem. Se for zona agrícola, menos mau, pois basta pagar uns poucos cobres ao “dono” das terras e problema resolvido. Se for zona montanhosa… loucura! É o ideal… lá em cima ninguém vê puto nem liga a nada.

Para terminar o lado PRETO das turbinas eólicas… o fim de vida útil das mesmas…

E acham vocês, caros seguidores e eventuais leitores por acidente, que nós animais humanos nos vamos dar ao trabalho de ir lá desmantelar as quintas?

CRUZ CREDO… NÃO… isso sai muito caro e além do mais íamos emitir muito CO2… “deixás prá í” ficar… A natureza trata delas…

Turbinas Mortas em Tehachapi (Descansem em Paz!)

Esta nem precisa legenda!

Se isto em terra firme já é assim… podem ficar seguros que não vamos retirar estas

daqui quando o seu TEMPO de morrer chegar… Pode ser que por essa altura os peixinhos já consigam reciclar alumínio e outros elementos raros!

E pronto…

Fica assim a saber que isto do Eólico ser um Mar de Verde… não é bem a estória que nos contam… Mas é sempre melhor que nada!

* Nota: já não foram poucas as pessoas que me interrogaram porque escrevo “animais humanos”, fica aqui a explicação para memória passada e futura!
“animais humanos” grupo de seres vivos pertencentes a uma espécie antiga denominada por “homo sapiens” mas que por motivos de economia, e de corte de rating, passou a ser designada simplesmente por “animais humanos”.

343…

Entrou em funcionamento a maior quinta marítima de produção de energia eólica … com capacidade para fornecer energia a mais de 200.000 habitações

Não… não foi cá em Portugal!!!

Esperava que fosse notícia… mas ou não a vi… ou não foi mesmo digna de notícia nos meios de comunicação social portugueses… assim sendo fica aqui a referência…