615…

“Dá-lhe um tiro…”

Ai… Ai…

Para que servem as reservas nos países africanos?

Para as 8 Famílias, as Elites Financeiras, as Famílias Reais e um ou outro penetra, irem para hotéis de luxo, serem servidos pelos escravos lá da zona, que ficam agradecidos por poderem ser escravos e estes seres humanos fantásticos irem lá à reserva passear, comer e…. CAÇAR, enfim proporcionar aos escravos a sobrevivência!

E tão chique que é fazer uma Caçada Real… ou como se diz hoje em dia, um Safari de Luxo!

E qual o animal digno de ser assassinado por um Rei?

Vejamos alguns exemplos…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Claro está… que para Rei, nada como assassinar, lá estou eu, caçar um elefante!

“Pronto, já lhe deu…

O elefante? Que tem? Animal é para ser morto a tiro em safaris reais (ou de luxo) e pouco mais… E além do mais o “Rei” tem licença para caçar!

O grave disto tudo é que…

“A Casa Real recusou adiantar pormenores, mas a empresa que organizou a caçada colocou na internet uma foto do rei junto a um elefante abatido. A viagem terá custo 30 mil euros, o que levou o monarca a ser criticado pela “frivolidade” e “falta de ética” face à grave crise económica em Espanha.” fonte (o realce foi meu!)

Pois claro… Se não estivéssemos em crise, a Caçada Real já não era escandalosa…

O mais engraçado desta Caçada Real é que o boi, perdão, a bosta, perdão outra vez… o “Rei” é o presidente honorário, e foi fundador, de uma coisa que dá pelo nome de WWF…. (para mim World Wide Fuckers), para os sãos significa World Wildlife Fund!

Pena que partiu a anca… Devia ter partido o pescoço e morrido… Assim a fotografia até ficava mais engraçada…

Não se esqueçam de apoiar a WWF.es na sua luta constante pela protecção de espécies ameaçadas

209…

Com o fim da CoP15 da CITES, muitas das espécies já ameaçadas de extinção… continuam em risco real de extinção.
É o caso do Atum de barbatana azul (blue fin tuna) (Thunnus thynnus) que está a ser pescado tão intensivamente que em breve se extinguirá dos mares e oceanos deste Planeta…
Como é um peixe muito procurado, e com cada vez menos quantidade o preço está lá por cima… e claro quanto mais caro melhor… mais “dinheirinho” se ganha… E quem é que pensam os leitores que foram os principais países que se opuseram a esta medida de protecção? Então não vão lá!… Os do costume…

JAPÃO E CANADÁ
JapãoJapan ensured that they did not oppose the proposal on the grounds that it would affect their consumption of sushi and sashimi,…
CanadáCanada, as a range State for the species, noted their Atlantic coast fishery was a model for sustainable development,…”

Mas não foram os únicos… a proposta do Mónaco de incluir o Thunnus thynnus no Apêndice I da CITES foi rejeitada com a seguinte votação (secreta claro que a cobardia nunca mostra a face!):
The original proposal put forward by Monaco was then put to a vote by secret ballot. The result of the vote was 20 in favour, 68 against with 30 abstentions. The proposal was thus rejected

E como de costume, quando o dinheiro fala mais alto que o valor da vida, da biodiversidade e da sustentabilidade… organizações têm que chegar à frente… e estas não falham nem cedem a interesses financeiros…

E aqui estão eles… já com tudo praticamente preparado para chegarem este Verão ao Mar Mediterrâneo para tentarem impedir a extinção desta espécie… pois se nada se fizer é este o destino de mais uma espécie às mãos dos animais humanos… Espero da Sea Shepherd o mesmo tratamento que costumam dar aos japoneses e às suas pescas ilegais da baleia (em santuários internacionais)… nem mais… nem menos…

205…

Na sequência da msg 194… e 195… fica aqui o resultado do esforço de muitas Nações e pessoas para ajudar a salvar os Elefantes…

“The United Republic of Tanzania introduced proposal CoP15 Prop. 4.”… “The proposal as a whole
was therefore rejected.”

“Zambia introduced document CoP15 Prop. 5 to transfer their population of Loxodonta africana from
Appendix I to Appendix II.”… “Accordingly, the amended proposal was rejected.”

Finalmente… algo de bom da CoP15…

E para harmonizar o nosso espírito com estes magníficos animais aqui fica… (favor ver até ao fim…)

200…

URSO POLAR…
(Risca do mapa…)

NÃO INTERESSAM QUE VIVAM/EXISTAM SE NÃO NOS FOREM ECONOMICAMENTE ÚTEIS…

E assim passou mais um dia em que o dinheiro/economia em que uma espécie vive absorvida venceu outras vidas… porque só a nossa vida interessa.
Canadá, União Europeia, Islândia, entre outros, votaram contra a proposta de colocar os Ursos Polares no Apêndice I…

198…

Estas são as espécies que, infelizmente, estão em destaque na CoP15…

http://www.cites.org/eng/news/meetings/cop15/species/species01.swf?xml_path=http://www.cites.org/eng/news/meetings/cop15/species/slides.xml

195…

Já começou a CoP15 da CITES… O que querem afinal os animais humanos!!!

É absolutamente incrível que nem uma única notícia é lida ou ouvida, nem nos meios de comunicação social nacionais e nem nos internacionais (pelo menos nos que costumo ver)…

Tanzânia:

Transferir a população de Elefantes Africanos, que por azar vive no território a que os animais humanos denominam agora Tanzânia, do Apêndice I* para o Apêndice II** da CITES para assim:

a) Fazer comércio de troféus de caça com fins não comerciais;
b) Fazer comércio de marfim em bruto (presas inteiras ou não) sujeito (entre outras condições) ao seguinte:
         1- Uma “one-off sale” (venda única e pontual) de 89,848.74 kg de marfim

Para quem desconhece… estes 89,848.74 kg de marfim, se tivermos em conta que as presas dos elefantes têm um peso médio de 3 kg (dados de 1990) equivale a 14,975 elefantes que serão assassinados apenas para que o HOMEM retire as suas presas, para ganhar mais uns cobres!…

A Zâmbia quer a mesma coisa… apenas em menor quantidade! Satisfazem-se com 21,692.23 kg de marfim… coisa pouca! São só cerca de 3,615 Elefantes…

Nós por cá…

*O Apêndice I é a lista onde constam os nomes das espécies animais e vegetais que estão em real perigo de extinção.
**O Apêndice II é a lista onde constam os nomes das espécies animais e vegetais que não estando agora em real perigo de extinção, poderão vir a estar se não forem tomadas medidas preventivas.