700…

sabao-caseiro

“Protecção caseira…”

Bem… Vamos lá então ver se aprendemos a fazer em casa…

E é graças à nossa Querida Amiga Lúcia que temos a hipótese de aprender a fazer sabão/champô caseiro…

Segurança:

Como lidamos com um produto cáustico, devemos usar sempre luvas, para não nos queimarmos, e evitar ao máximo respirar os vapores da lixívia que iremos fazer.
– Ter à mão vinagre. Caso haja algum acidente com a lixívia (irei explicar a elaboração da lixívia mais à frente), o vinagre neutraliza a sua acção. Se atingirmos o corpo, neutralizar a parte afectada com vinagre e depois lavar com água abundante. Cuidado com os olhos e a pele.
– Ter os materiais prontos e disponíveis, bem como os ingredientes, quando se inicia o processo, para não correr riscos de haver enganos.
– O único metal que pode ser usado na fabricação de sabão é o aço inoxidável. Nada de usar alumínios nem teflon, são proibidos. Pode-se usar plástico resistente (tupperware), vidro, madeira (uma colher de pau para mexer a massa, por exemplo). Os moldes podem ser de silicone, são práticos e fáceis de desmoldar. O primeiro sabão que fiz foi numa garrafa de litro e meio, bem lavada e seca. Para desmoldar foi o cabo dos trabalhos, mas não alterou em nada a propriedade do sabão, além de que ficou com uma forma redonda bem bonita.

Materiais:

– Uma balança com pesagem às gramas (não vale pesar a olho, invistam na balança, vale a pena);

– Moldes de silicone, garrafas de plástico ou caixas de madeira (que devem ser forradas com papel vegetal, salvo erro; como não tenho moldes de madeira, tenho que confirmar com que papel se forra o mesmo);

– Taças de vidro ou tupperware fundas, para fazer a massa;

– Colheres de madeira e varinha mágica;

– Luvas, e se necessário, óculos de protecção.

No fim do fabrico:

Após o preparo, para lavar os utensílios, primeiro usem um pouco de vinagre, para neutralizar a acção da lixívia, e depois podem lavar normalmente, como lavam a louça à mão.

Alguns conceitos:

– Este sabão é cosmético, ou seja, está formulado para se aplicar na pele (neste caso, para limpeza do cabelo oleoso). Pode-se fazer sabão de limpeza (para roupa, louça, etc), variando algumas quantidades e ingredientes. Este sabão possui um valor de sobre-engorduramento (SE) de 1%. Ou seja, 1% da gordura utilizada não reage com a lixívia, e vai assim dar algumas das suas propriedades ao produto final. Os sabões não cosméticos têm um valor de SE negativo. O valor de 1% escolhi-o pelo uso final do sabão, para cabelo oleoso. Para a pele, uso um valor de SE à volta de 8%.

– A concentração do sabão é de 32%; ou seja, a lixívia faz-se com 32% de soda, sendo os restantes 68% constituídos por água. Isso faz com que o sabão fique mais rijo, pois nos outros sabões que fiz, usei concentrações mais baixas, logo tinham maior quantidade de água, sendo assim mais brandos.

– Outro conceito importante é o índice de saponificação. Este é um valor que difere de gordura para gordura e que nos indica a quantidade de soda necessária para saponificar uma gordura. Por exemplo, para produzir sabão com um quilo de azeite, a quantidade de soda necessária é diferente da que é precisa para produzir sabão com um quilo de óleo de coco, ou de manteiga de karité, por exemplo. Existem muitas tabelas de saponificação online; eu uso uma calculadora que facilita o trabalho (mais à frente, dou-vos os links).

– Este sabão em específico, por levar apenas azeite como gordura a saponificar, quase não produz espuma. A quantidade de espuma varia, pois, consoante as gorduras usadas no fabrico (óleo de coco, de palma, amêndoas doces, manteiga de cacau, de karité, cera, óleo de milho, de girassol…). Como ainda estou a aprender, não quero usar uma gordura mais dispendiosa (como o óleo de côco, que parece que produz sabões de uma qualidade muito grande), e por enquanto a minha preocupação não é tanto com a beleza e cremosidade dos sabões, é mais livrar-me dos cosméticos comerciais.

– A lixívia é constituída por soda cáustica e água destilada. Neste caso específico, substituí a água destilada por uma infusão (já explicarei o processo). Certifiquem-se que compram hidróxido de sódio (soda cáustica), com pelo menos 99% de pureza. A fórmula química do hidróxido de sódio é NaOH.

– A traça é o ponto em que o azeite (ou outras gorduras) está misturado de forma homogénea com a lixívia, tendo uma consistência semelhante à maionese. Dependendo dos ingredientes, a traça demora mais ou menos tempo a ser atingida, e torna-se mais ou menos espessa. Quando se atinge a traça, é altura de se colocar os aditivos, ingredientes que vão dar as suas propriedades específicas ao sabão: argilas, óleos essenciais, aromas, etc.

– O tempo de cura é de 4/6 semanas. Isso significa que após esse tempo, toda a soda terá reagido com o azeite (o processo de saponificação, transformação de uma gordura em sabão). Quanto mais tempo de cura, mais seguro é o sabão. Eu tento deixar os meus sabões curar por mais tempo, mas nem sempre resisto.

– Todas as medidas, incluindo a dos ingredientes líquidos, são expressas em gramas. Têm mesmo que pesar os líquidos em termos de peso (gramas) e não de capacidade (mililitros), caso contrário poderão não obter um sabão cosmético (algo que me aconteceu com os primeiros sabões…)

Ingredientes:

Para este sabão, vamos precisar de:

– Azeite: 682 gr.

– Infusão de urtiga (elaborada com água destilada): 194,4 gr.

– Hidróxido de sódio: 91,5 gr.

– Argila verde: 20 gr.

Modo de fazer:

– Primeiro, preparar a infusão de urtigas. Façam uma infusão bem forte, com a água destilada, deixem-na esfriar, coem (se preciso, coem com um paninho) e congelem em caixinhas de fazer gelo. É muito importante que seja congelada, caso contrário, a lixívia queima a infusão e perdemos as propriedades benéficas da urtiga.

– Quando tivermos os cubinhos da infusão já congelados, pesamos 194,4 gr. e, se necessário, completamos com água destilada (à temperatura ambiente).

– Aos poucos, vertemos a soda cáustica sobre os cubinhos. Vamos mexendo com a colher de pau (ou de aço inoxidável), sempre com cuidado, até o gelo derreter completamente. Este processo poderá levar alguns minutos. Num sabão feito apenas com água destilada (ou seja, sem usar líquidos congelados, como infusões, leites, etc), a temperatura sobe muito, tenham cuidado. Por isso, é conveniente que a água esteja fria. Neste caso, a temperatura não se eleva muito, por causa do gelo. Esta mistura da soda com a infusão é a lixívia.

– Quando temos a lixívia pronta, deitamo-la sobre o azeite (e não ao contrário). É conveniente que as temperaturas de ambos os líquidos sejam similares, daí que se a temperatura da lixívia é muito alta, deixo-a sempre esfriar. Mexam a mistura com uma colher, para envolver bem. Depois, usem a varinha; coloquem-na bem dentro da mistura e só então, façam-na trabalhar. Essa precaução é para que não salte nenhuma gota de lixívia; daí também a importância de um recipiente fundo.

– Quando tiverem uma mistura consistente, semelhante à maionese, ou pelo menos numa textura bastante homogénea, de forma que o azeite já não se separe da lixívia (ou seja, a traça), coloquem a argila e misturem novamente com a varinha, de forma a dissolver bem a argila.

– Deitem a mistura nos moldes de silicone e tapem-nos com um cobertor. Tapá-los é opcional; o facto de não os tapar vai provocar uma reacção entre a massa que está em contacto com o ar e o próprio ar, produzindo uma espécie de cinza branca na superfície. Não é de todo prejudicial para o sabão, é apenas uma questão estética.

– Em princípio, após cerca de 24 horas, já podem desmoldar os sabões. Se virem que a massa ainda está muito maleável, deixem-nos nos moldes por mais umas horas. Após os desmoldes, guardem em lugar protegido, abrigado de pós e humidades. Vão virando os sabões de vez em quando, para que sequem por igual.

– Após o tempo de cura, usem-nos e deleitem-se com algo feito por vocês, totalmente benéfico, sem produtos perigosos. É uma sensação deliciosa!

Bom, tenho que avisar que este é o primeiro sabão/champô que faço. Uso ingredientes muito simples e acessíveis. Por isso, não garanto (nem para mim, quanto mais para os outros…) que ele vá dar resultados fabulosos num cabelo oleoso. Este não garantir deve-se à minha ainda curta experiência no mundo dos sabões (além de que, obviamente, cada cabelo reage de forma diferente ao produto); gostaria que esta experiência servisse como um aguçar de apetites para aprenderem a fazer sabões.

Outras informações:

Se quiserem saber mais, um sítio muito bom onde podem se informar é no site http://www.mendrulandia.net/ e no respectivo fórum http://foro.mendrulandia.net/. Para além dos conceitos bem explicados, dispõem de uma calculadora online que facilita a elaboração das fórmulas.

E pronto…

Eu vou ver se consigo fazer um!

SABÃO

Dúvidas? Bom…. Deixem-nas aqui nos comentários que a Lúcia se tiver paciência e TEMPO lá nos ajudará de alguma maneira!

Artigo anterior
Artigo seguinte
Deixe um comentário

9 comentários

  1. aNaTureza

     /  Fevereiro 2, 2013 - 22:50

    Muito bom! Também eu já tenho feito, não muito, porque uso em tudo o mínimo possível e por isso duram imenso.

    Vou partilhar tb mais algumas “coisas” já agora:

    SABÃO PARA A ROUPA
    1 L de óleo usado previamente filtrado (excluindo óleo onde se fritou peixe)
    500 ml de água destilada
    150 g de soda cáustica
    1 colher de chá de sal comum
    – Juntar a soda cáustica com a água e misturar bem (cuidado com os vapores e temperatura).
    – Juntar a mistura ao óleo e mexer até alcançar o ponto (c/ a varinha mágica é mais rápido).
    – Verter para os moldes e deixar “descansar” abrigadinhos durante +/- 24 horas
    – Desenformar (verificar se já se podem desenformar , se não, aguardar), cortar (se usarem um único molde) e deixar curar +/- 4 semanas (vai depender do grau de humidade do ar).
    – Usar! (pode-se usar na máquina de lavar, ralando o sabão com um ralador comum)
    Podem adicionar umas gotas do óleo essencial que preferirem se quiserem depois da “massa” estar no ponto.
    Para completar a lavagem da roupa e se quiserem usar “amaciador”, usem 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio, que serve também para tirar algumas nódoas quando necessitarem.

    SABONETE DE MEL (ESTE SABONETE É BOM NA MESMA, SEM O MEL) dá 1 Kg de sabonete
    É muito suave para ser utilizado no rosto e em bebés. Prefiram mel de qualidade.
    213 g de infusão de mel (1 c.sopa dissolvida em água destilada um pouco aquecida) já fria.
    85 g de soda cáustica
    686 g de azeite virgem extra (sem químicos, melhor, ou seja, “bio” como dizem)
    10 g de cera de abelha (compra-se em drogarias)
    60g de mel
    – Juntar a soda cáustica com infusão de mel e misturar bem
    – juntar a cera de abelha ao azeite e aquecer até que derreta.
    – Juntar a mistura de soda cáustica à mistura do azeite e mexer até alcançar o ponto
    – Juntar os 60g de mel
    – Mexer bem, verter para os moldes e deixar “descansar” abrigadinhos durante +/- 24 horas
    – Desenformar (verificar se já se podem desenformar , se não, aguardar), deixar curar +/- 4 semanas (vai depender do grau de humidade do ar).
    Estes sabonetes poderão ter um “ar” mesmo caseiro se pusermos a massa num único molde e a cortarmos na medida que quisermos depois de desenformá-la.

    TABELA DE SAPONIFICAÇÃO

    AZEITE VIRGEM EXTRA……………………..0,134
    ÓLEO DE COCO………………………………….0.190
    ÓLEO DE PALMA………………………………..0,141
    ÓLEO DE GIRASSOL………………………….0,134
    ÓLEO DE RICINO……………………………….0,128
    ÓLEO DE AMÊNDOAS………………………..0,136
    ÓLEO DE ABACATE…………………………….0,133
    ÓLEO DE SOJA…………………………………..0,135
    ÓLEO DE MILHO…………………………………0,136
    ÓLEO DE SÉSAMO……………………………..0,133
    ÓLEO DE JOJOBA………………………………..0,069
    ÓLEO DE GERMEN DE TRIGO……………..0,132
    CERA DE ABELHA………………………………0.069
    MANTEIGA DE CACAU………………………..0,137
    MANTEIGA DE KARITÊ……………………..0,128

    EX: para 400g de óleo de coco: 400×0,190=73,6 g de soda cáustica

    beijinhosss

    Responder
  2. Olá Voz, olá aNaTureza!

    Por acaso ainda não experimentei os sabões reciclados, com óleo usado, simplesmente porque usamos muito pouco aqui em casa. Curiosamente, também tenho um sabão de mel, mas com infusão de cavalinha na lixívia.

    Pode me dizer onde arranjou essa tabela de saponificação? Queria comparar com outras tabelas, para ter uma noção se os índices variam muito ou não.

    Obrigada por partilhar as suas receitas. Agora vamos esperar que o Voz coloque aqui umas fotos do sabãozinho dele…🙂

    Responder
    • Olá Lúcia…

      Retirei os valores do sítio que indicaste e fiz esta tabela!… de resto como isto são constantes a variação há-de ser tendencialmente zero!

      Tenho que ir procurar local que venda o NaOH!

      Bjhs

      Responder
      • aNaTureza

         /  Fevereiro 4, 2013 - 21:11

        Olá Voz,

        a soda cáustica encontras em qq drogaria. Lembrei-me de uma coisa…acho que vai entrar não sei quando nova lei sobre produtos “perigosos” o que fará com que o cidadão comum não os possa comprar, só técnicos, não sei se a soda cáustica estará abrangida. Sabes alguma coisa sobre isto?

        Espero que não, se não, lá se vão os nossos sabonetes caseiros…

        Responder
        • Não faço ideia… Mas da busca rápida que fiz não encontrei referência a isso, nestes últimos tempos! Mas da maneira como a Máfia opera, não é de admirar!

          Responder
    • aNaTureza

       /  Fevereiro 4, 2013 - 21:08

      Olá Lúcia,
      a tabela foi-me passada num workshop que frequentei, mas é confiável pois a pessoa que deu o workshop faz imensos sabonetes e sabões.

      beijinhos

      Responder
      • Obrigada, aNaTureza. Eu não pensei que a tabela não fosse confiável, apenas surgiram-me algumas dúvidas por não saber ainda muito bem calcular à mão a quantidade de soda, de água, de sobre-engorduramento, de concentração… Isto de ter calculadoras para tudo torna-me algo preguiçosa…🙂

        Ah, e para quem quiser fazer sabão líquido (eu ainda não fiz, tenho algumas dúvidas quanto ao processo), em vez da soda cáustica, usa-se potassa cáustica, o hidróxido de potássio, cuja fórmula é a que está na tabela que gentilmente colocaste aqui, Voz: KOH.

        Responder
  3. Óptimas dicas, obrigada!
    Eu também faço todos os meus produtos de limpeza: http://365coisasquepossofazer.blogspot.pt/2012/12/fazer-todos-os-produtos-necessarios.html
    e quase todos os de higiene e beleza.

    Responder

Escrever um pensamento...

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: