420…

REPENSAR O AQUECIMENTO GLOBAL ANTROPOGÉNICO

aqui tinha escrito que isto provavelmente era um esquema para começar a criar novos impostos e taxas para os Consumidores/Escravos Modernos pagarem… e pelos vistos também não falhei nesta… Podem ver pelo link acima que já andam a fazer/encomendar estudos para criar novas taxas… Têm que ir devagarinho que é para os Consumidores/Escravos Modernos se mentalizarem!

Artigo anterior
Artigo seguinte
Deixe um comentário

10 comentários

  1. Daqui a pouco pagamos imposto por respirar..
    Com os juros da divida em 7%, alguém tem que os pagar, não me admira nada que inventem mais impostos o mais engraçado é que quem consome a carne é que tem que pagar imposto, quem explora os recursos não paga imposto nenhum.

    Responder
  2. Claro que os fabricantes terão que pagar e por consequência o consumidor final, que se consome tb é responsável. Quem polui, paga como é evidente. Assim teríamos menos consumo, não? Estou enganada?
    Mas o problema é como em tudo, desconfio que os “escravos” é que terão que pagar a maior fatia.
    A população dos países ditos desenvolvidos podem viver melhor, adoptando um estilo de vida menos consumista. Blá blá blá…
    Sim, este modelo está todo errado, a solução existe, mas parece-me impossível todos a adoptarem.
    Pagar por poluir, claro que sim, mas todos.

    Responder
  3. Na tal mensagem já escrevi isso, e pouco me admira que qualquer dia não tenhamos que pagar imposto por respirar… já faltou mais!

    É assim, sempre os mesmos a pagar…

    Ana… Estás enganada… pois o que interessa o facto de pagares? Do ponto de vista ecológico está poluído e está… este é o mal das pessoas, acreditam que se pagarem a poluição desaparece como que por obra e graça do Espírito do Dinheiro.
    E a tua frase final resume de forma brilhante a ilusão em que praticamente todos os animais humanos vivem hoje em dia: “Podemos poluir à vontade… temos é que pagar…”. Não sabia é que a Mãe Natureza já aceitava Dinheiro… se calhar até já aceita pagamentos em suaves prestações mensais!!! Será que posso pagar com cartão?

    Responder
  4. Não acho que esteja enganada!
    Como é que acham que o consumo seria reduzido e por consequência, menor poluição a todos os níveis???
    Acham que é com a consciência do ser humano?
    Não seria mais correcto, se os produtos com impacto reduzido ou nulo no ambiente, fossem os mais baratos e os poluentes pagassem pela poluição produzida e por consequência, os mais caros. Ou seja, o preço de acordo com o impacto ambiental.
    As pessoas consomem tanta porcaris porquê? porque há muita porcaria a preços reduzidíssimos.
    Não achas que assim, será a única maneira de diminuir o consumo poluente?
    Eu digo isto, hipoteticamente falando, porque sei o mundo em que estou e de facto, acho que quem irá pagar (a haver estas taxas), será sempre o “mexilhão”, enquanto os mais ricos continuarão a pagar para poluir na maior.
    Apesar de tudo, se não houver taxas, continuaremos pelo mesmo caminho errado.
    Pois, pelos vistos, o ser humano, parece que aprende melhor, quando há um reforço negativo mais imediato. É a teoria de Pavlov no seu melhor…
    E claro que que não é pelo facto de se pagar, que o que poluímos até agora, irá desaparecer por obra e graça…
    Apresenta-me então, um modelo para se reduzir a poluição, tendo em conta o atraso mental/panorama actual.

    Responder
  5. Mais outra questão, é que sei que o dinheiro destas taxas, irá direitinho para os cofres do estado e não necessariamente para apoios a nível ambiental.

    Responder
  6. Será que devemos entregar os pontos e rendermo-nos á triste evidência de que não existe solução? Ainda que sabendo que essas taxas iriam direitinhas aos cofres do Estado, o que é certo é o ser humano prima por permanecer no modo primitivo de apenas agir quando lhes pisam os calos e a merda lhes chega ao nariz.
    Pior do que pagar taxas será baixar os braços e permanecer no rumo em que estamos.
    Gostei dessa analogia do Pavlov, é que é mesmo assim! De uma maneira geral, o bicho homem na maior parte das vezes só lá vai através de reforço negativo ou punição (sim, porque para a grande maioria, não é punição suficiente saber que se está a condenar o futuro dos seus descendentes de uma maneira irreversivel e cruel e já vi muita gente de forma egoísta dizer, “já cá não estarei nessa altura!”.
    Concluindo, com este tipo de raciocínio só mesmo com a m**** das taxas.

    Responder
  7. A solução global para estes problemas é, infelizmente, só um: redução no número de animais humanos. Tudo o resto que se arranjar não resolve o problema fundamental, e como tal apenas serve para adiar um fim não muito famoso. Como já escrevi nós estamos a aldrabrar o Ciclo Natural e Biológico e, como é lógico, tudo se paga (e não estou a falar em pagar em dinheiro!).
    Se não gosta desta solução (o mais provavél!) então pode optar por outra de se limitar a tonelagem de carne que pode ser “produzida”.

    Responder
  8. Não percebo então o porquê de tanta preocupação com as pessoas (os escravos, etc, etc), foi o que me pareceu ao longo das minhas consultas ao Tempo.
    E claro que se poderá limitar a “tonelagem de carne que pode ser produzida”.
    Mas, mesmo assim, resta saber, como em todas as outras soluções, como se conseguiria aplicar esta solução.
    Pagar taxas por poluir, sim, porque de certeza haveria muito menos consumo.
    Reduzir a natalidade também, pelos mesmos motivos.
    Claro que ao ir escrevendo e pensando em tudo o que vou “ouvindo”, dá para chegar a conclusões não muito felizes.
    Mas como existem várias dimensões de vida, cabe a cada um, escolher a sua com consciência.
    O modelo de vida que nos impingem a levar (longe da verdadeira essência da nossa existência), é que está errado.
    Soluções existem, é preciso não desistir…e ir fazendo a nossa parte.
    Quanto á redução de animais humanos, se não for limitar a natalidade, a que é que te referes?
    Não te quero fazer perder Tempo, mas gostava mesmo de perceber.
    Prometo que não faço mais comentários🙂

    Responder
  9. Ok… começo pelo fim! Espero que comentes e muito… senão isto não vale o TEMPO aplicado.

    Agora o inicio… A preocupação é para com os seres vivos, e para mim os animais humanos não estão no topo da lista (explicação para outro tempo).

    Como também já escrevi, no dia em que Nós nos dermos conta de que não necessitamos do Sistema Monetário para vivermos, e de que já dispomos de tecnologia suficiente para nos livrarmos da grande maioria das tarefas que o S.M. artificialmente mantém, aí então começaremos a rumar na direcção certa. Já não é para o meu tempo infelizmente.

    Quanto à “verdadeira essência da nossa existência”, gostava que aqui escrevesses qual é para ti essa essência…

    Quanto ao número, a limitação da natalidade é uma hipótese apenas e só se forem as pessoas a decidir por elas que um ou nenhum é o ideal… fora isso controlo de natalidade por entidades exteriores ao círculo casal não é aceitável… infelizmente esta situação é de muito difícil, para não dizer impossível, aplicação pois não há maneira de todas as pessoas no Planeta atingirem este nível de consciência colectiva.

    Para mim quanto maior o número, maior o desequilibrio, maior as hipóteses de correcção Natural para o repôr. E esta acaba por ser a forma mais “justa” de repôr o equilibrio.

    Somos uma espécie que luta com todas as armas para não ser natural, e assim provocamos o desequilibrio, esquecemo-nos que no fim, somos parte de um Sistema Natural que se auto-regula, e que em situações extremas não temos forma de contornar nem evitar as inevitáveis correcções…

    Responder
  10. Concordo plenamente contigo.
    Também não acho que estamos nós, os humanos no topo da lista, pois quando falo em seres vivos, falo em todos. Todos têm a mesma importância (embora não goste nada de viver com alguns, humanos e não humanos :)), o que te responde qual a “verdadeira essência da vida”, fazemos todos parte do sustento da vida, na nossa casa, a Terra, precisamos todos uns dos outros.

    Mas gosto do ser humano, capaz de construir coisas tão bonitas também.

    Temos é que ter, face á consciência de coisas tão “feias”, uma maior tranquilidade na construção de um ser humano melhor, ter esperança e insistir, pois como sabes, o ser humano é muito resistente, não irá desaparecer sem mais nem menos. Esta é que é a verdade.
    Acreditar que podemos educar crianças e adultos no sentido de haver maior ligação á natureza, ajudá-los a perceber que sem as outras vidas tb não viveremos. As restantes hipóteses, que se traduzem na revolta pela nossa própria espécie, não se coadunam com essa construção de um melhor equilíbrio.
    Eu sei que isto que digo, pode ser um bocado ambíguo, mas tenho esta crença que é tb baseada na realidade.
    Não temos outra hipótese.
    Continua o teu bom trabalho, porque realmente só assim, sem preconceitos, é que podemos nos questionar sobre o que está mal.
    Enfim, não temos, nem teremos respostas para tudo.

    Sentimentos extremos, tais como ódio e raiva, não constroem nada de bom, muito pelo contrário, penso que isto está mais do que provado.

    Esperemos então pelo sistema auto regulador…

    VIVA A VIDA (natural)!

    Responder

Escrever um pensamento...

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: