351…

Índia…
Ano 2008…

Dizem eles que veneram as vacas! Mas isso é apenas o que eles dizem… pois o que fazem é isto

Apenas prova que as palavras, escritas ou faladas, valem o mesmo que nada.

O problema é que no fim a solução também não é a melhor… soja!!! Já mostrei aqui o que se passa com a industria de produção de soja…

Enfim uma miséria nunca vem só… é o que dá sermos quase 8 biliões!!!

Artigo anterior
Artigo seguinte
Deixe um comentário

4 comentários

  1. E as pessoas ainda pensam que elas são veneradas na Índia, nem percebem que a maioria do couro que usam (esquecem se que é pele morta, de um cadáver), vem de lá…de facto se as coisas fossem equilibradas e o consumo se resumisse ao que é necessário para se viver e não para a moda e superficialidades, estaria tudo mais equilibrado. Não sou vegan, mas para lá caminho, mas é o que já disse, nem sempre é fácil arranjar alternativas sem deixar de lado completamente a maneira instituída de se viver e apresentar. Já não compro nada em couro, nem lã. Vêm de seres vivos torturados. Mas e o resto? O algodão, tudo o resto? É o consumismo/capitalismo que dá cabo do equilíbrio e claro com grande ajuda da população ignorante destes assuntos. É barato, compra se, nem que não dure, não perecebem o rasto de muita coisa má que fica para trás. E mesmo se souberem, querem é esquecer.
    Apesar disto, tento não ficar triste e aproveitar as coisas boas á minha volta.
    Obrigada pela partilha.

    Responder
  2. Ana Teresa… Ana Teresa…

    ao ler o que escreveu parecia que estava a ler um texto que eu podia ter escrito… estranho!

    As pessoas preferem não saber, e quando tentamos lhes mostrar reagem com violência, pois sabem que o que verão lhes tirará o prazer de Consumir… Pois aquilo se se vê dificilmente se esquece!

    Responder
  3. Estranho é não ter pessoas á minha volta, “amigos”, conhecidos ou mesmo desconhecidos, que sintam estas “coisas” como as sinto.
    E é tão claro que há um tamanho desequilíbrio principalmente dentro das próprias pessoas. Como se pode dizer que se gosta de animais e contribuir para tamanha violência contra eles.
    Qdo digo que não como carne, olham para mim como se esta opção fosse fruto de uma moda passageira. Qdo vejo que não percebem, pergunto-lhes se comeriam cão, gato, golfinho, o seu coelho de estimação, fazem um ar mto estranho.
    Digo-lhes que é exactamente pelo mesmo motivo deles, que não como vacas, porcos, galinhas, etc. Ficam com um ar mais estranho mas acabam por perceber a incongruência que lhes vai na alma. Mas daí a mudar de hábitos…
    Não acho que seja tão simples como o que dizes, que o que se vê, dificilmente se esquece.
    Pelos vistos isto só acontece com alguns de nós.
    Sempre fui minimamente consciente, mas houve um momento que ficou congelado no meu cérebro e corpo e a partir daí, foi como se tivesse num outro mundo…tudo mudou e toda a vida dita civilizada, desmoronou sem sentido. Comecei a ler nas entrelinhas…
    E tenho a certeza que o desequilíbrio não está em mim…

    Responder
  4. aNaTureza

     /  Abril 16, 2012 - 02:27

    Alternativas melhores:
    Leites de cevada, arroz, amêndoas, quinoa, castanhas, coco, alpista, sésamo, etc. (procurem na internet mais receitas, porque alguns destes leites têm que ser cozinhados)

    LEITE DE AVEIA
    Como tenho feito e usado este leite e gosto muito, nada como partilhar
    conhecimentos…

    Melhor que o leite de soja a nível nutricional (só não contém isoflavonas, nem OGM🙂 ) e melhor do que o leite de vaca (como podem confirmar na análise nutricional mais abaixo), muito saboroso, facílimo e rápido de preparar (cerca de 10 min). Experimentem, sei que vão gostar…

    O leite de aveia é uma saborosa e nutritiva alternativa ao leite de vaca, sendo também uma excelente opção para as pessoas intolerantes à soja.
    Preparar leite de aveia em casa, pode poupar em dinheiro, em embalagens e na saúde (pois não vai conter conservantes ou outros produtos).

    Ingredientes:
    100g de flocos de aveia
    1 litro de água, de preferência filtrada e fervida

    Modo de fazer:
    – coloque no liquidificador a aveia e parte da água, para poder triturar melhor a aveia
    – coe através de filtro de pano ou então pode usar uma peneira com um pano fino por cima

    (A “massa” que sobra pode ser usada para adicionar a molhos, hamburguers vegetais, bolos, bolachas, etc, ou também pode ser usada como máscara facial, bom para quem tem acne)
    – volte a bater no liquidificador com o resto da água

    Conserva-se no frigorífico cerca de 4-5 dias.

    Não convém aquecer demasiado, porque este leite engrossa.

    Se preferirem podem também combinar a aveia com outros feijões ou sementes, tais como a soja, a cevada, o arroz, as amêndoas, quinoa, castanhas, coco, alpista, sésamo, etc. (procurem na internet mais receitas, porque alguns destes leites têm que ser cozinhados)

    O leite de aveia tem um gosto suave, ligeiramente doce, e é um pouco mais gordo do que o de soja. Podem usá-lo das mesmas formas que o leite de soja ou de arroz.
    Benefícios para a saúde do leite de aveia
    O leite de aveia é rico em fibra, é isento de colesterol e lactose, e contém vitamina E, ferro, entre outras vitaminas e minerais.
    A aveia é também rica em fitoquímicos, produtos químicos das plantas que ajudam a lutar contra doenças como o cancro, doenças cardiovasculares.

    Análise nutricional da aveia (por 100g):
    energia: 384 kcal
    proteínas: 16 g
    total de gorduras – 6,3 g
    hidratos de carbono: 67 g
    fibra: 9,8 g
    cálcio: 52 mg
    ferro: 4,2 mg
    magnésio: 148 mg
    fósforo: 474 mg
    potássio: 350 mg
    sódio: 4 mg
    zinco: 3,07 mg
    cobre: 0,343 mg
    manganês: 3,630 mg
    selénio: 34 mcg
    vitamina B1 (tiamina): 0,730 mg
    vitamina B2 (riboflavina): 0,140 mg
    vitamina B3 (niacina): 0,780 mg
    vitamina B5 (ácido pantoténico): 01,245 mg
    vitamina B6: 0,120 mg
    vitamina E: 0,700 mg
    vitamina K: 3,2 mcg

    para comparação:

    Análise nutricional do leite de soja (por 100g):

    energia: 38 kcal
    proteínas: 3,5 g
    total de gorduras – 3,5 g
    gorduras saturadas: 0,25 g
    gorduras monosaturadas: 0,375 g
    gorduras polisaturadas: 0,60 g
    hidratos de carbono: 2,5 g
    fibra: 1,5 mg
    isoflavonas: 10 mg
    cálcio: 4,5 mg
    ferro: 0,75 mg
    magnésio: 22 mg
    fósforo: 55 mg
    potássio: 160 mg
    sódio: 14 mg
    zinco: 0,25mg
    cobre: 0,14 mg
    manganês: 0,2 mg
    selénio: 1,5 mcg
    vitamina B1 (tiamina): 0,17 mg
    vitamina B2 (riboflavina): 0,80 mg
    vitamina B3 (niacina): 0,17 mg
    vitamina B5 (ácido pantoténico): 0,06 mg
    vitamina B6: 0,05 mg
    ácido fólico (vitamina B9): 1,70 mcg
    vitamina A: 3,5 mcg
    vitamina E: 0,01 mg

    Análise nutricional do leite de vaca (por 100g):

    Pasteurizado Integral

    calorias: 61 Kcal 63 Kcal

    glicídios: 4,90 g 5 g

    proteínas: 3,60 g 10 g

    lipídios: 3,00 g 3,5 g

    cálcio: 123 mg 114 mg

    fósforo: 96 mg 102 mg

    ferro: 0,10 mg 0,10 mg

    – No leite de vaca, de facto o cálcio é mais elevado do que em outros leites, mas o nível de absorção do cálcio neste leite é só de 32%, enquanto que nos leites vegetais é de 50 a 70%.

    Proteínas
    O leite de vaca é considerado uma boa fonte de proteínas. Mas, na realidade, o excesso de proteínas animais pode provocar a perda de cálcio do corpo.
    Cada chávena de leite fornece cerca de 9 g de proteínas, mas que causam a perda de 9 mg de cálcio pela urina. Uma pessoa que não inclui proteína animal na alimentação pode ter menor necessidade de cálcio. Por exemplo, um vegano/vegetariano que consuma uma dieta sem proteínas animais e pobre em sódio pode precisar apenas de 500 mg de cálcio por dia. Quem consome uma dieta rica em proteínas e sódio pode precisar de até 2000 mg de cálcio por dia.
    80% das proteínas do leite são caseína. A caseína é de difícil coagulação nos estômagos dos bebés.
    E as vacas acabam por comer rações (feitas com OGMs, organismos geneticamente modificados), milho tb geneticamente modificado, que nestas ilhas já vão existindo e erva (pasto) com imensos químicos sintéticos utilizados no campo (herbicidas e fertilizantes).

    Para não falar da insanidade de como esta indústria trata os animais. Os milhares de filhos desta indústria (os bezerros, entre 800 a 1000 por semana só no matadouro de Ponta Delgada, são excedentes a serem completamente incinerados e pagos á cabeça 75 euros para isso mesmo e para a carne não baixar de preço. Esta “medida” económica está “patente” (em vigor actualmente) na indústria do leite e podem comprovar aqui
    http://ww1.rtp.pt/acores/index.php?article=7048&visual=3&layout=10&tm=5

    Tento fazer das minhas acções o melhor possível (claro que não sou exemplo, mas tento melhorar aos poucos), optando pelo que acho mais ético e saudável dentro do possível e claro que gostaria que assim todas as pessoas procedessem quando têm conhecimento, tanto nesta área como em todas as outras.

    De resto, é isto que acontece quando existem monoculturas. O desequilíbrio total, de tudo.

    É bom partilhar informação, sobretudo a que não é sabida geralmente, porque assim, todos podemos contribuir para melhorar alguma coisa.

    Voz, lembrei-me de voltar aqui, pode ser que algum “investigador”, leia e resolva experimentar. Jinhos

    Responder

Escrever um pensamento...

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: